• 1
  • 2

Redes Ativas

Programa para jovens com dificuldades de socialização

 

O programa Redes Ativas destina-se a jovens com dificuldades na socialização e idades entre os 14 e os 23 anos. É um espaço para experimentarem atividades lúdicas, desportivas e culturais em interação com a comunidade envolvente e reforçando o trabalho em equipa.

Este programa foi criado porque, na transição da adolescência para a vida adulta, os jovens com dificuldades de socialização têm as mesmas aspirações a "ser adulto”, mas carecem de ferramentas para conseguirem realizar atividades e cimentar relações fora do contexto familiar ou explorar autonomamente novas situações sociais, formativas, ocupacionais.

O programa decorre entre outubro e julho, aos sábados de manhã, em Cascais, com atividades pontuais na zona da grande Lisboa e dois fins-de-semana completos durante as pausas letivas de abril e junho (incluindo dormida).

 

Objetivos

O projeto pretende aumentar a autonomia de jovens com dificuldades na socialização, nas seguintes áreas:

  • Atividades de vida diária (pessoais, sociais, domésticas e comunitárias);
  • Socialização (relações interpessoais, ocupação de tempos livres e autocontrolo);
  • Comunicação;
  • Emprego

 

Atividades

Treino simulado de competências sociais e de autonomia – uma atividade/mês com o objetivo de promover estas competências e melhorar a capacidade para se relacionar com os outros e para cuidar de si próprio.

Desporto e lazer – duas atividades/mês com o objetivo de explorar interesses na área da atividade física, manter um estilo de vida saudável e desenvolver a cooperação e capacidade de trabalho em equipa.

Dinâmicas de grupo – duas atividades/mês com o objetivo de promover as competências sociais através do jogo, do movimento e da cooperação.

Atividades na comunidade – uma atividade/mês com o objetivo de aprofundar as relações dos membros do grupo fora do contexto formal de aprendizagem, treinar competências de autonomia na utilização de recursos comunitários (transportes e serviços públicos) e promover atividades de lazer fora de casa. Estas atividades podem incluir a colaboração com instituições de solidariedade social em regime de voluntariado, com o objetivo de promover o contato com ambientes, tarefas e ferramentas profissionais, explorar interesses ocupacionais e incentivar a responsabilidade social

Campos de autonomia – duas atividades de dois dias durante as pausas letivas de abril e junho (incluem dormida) com o objetivo de treinar a tomada de decisão, o planeamento e a resolução de problemas, a gestão do dinheiro, a utilização de transportes públicos em percursos novos, a elaboração de listas de compras, a realização de compras, a confeção de refeições e outras tarefas domésticas.

 

Testemunhos

Os pais dos participantes em edições anteriores do programa explicam as mudanças que viram nos seus filhos.

“Notámos, ao longo deste ano, uma maior autonomia do A e sobretudo uma vontade de participar mais em “eventos sociais” como foi, por exemplo, o jantar e festa da sua turma, o que o A anteriormente não tinha grande vontade de fazer. Sentimos também no A uma maior alegria na vida e em apreciar as relações sociais inerentes à vida.”

“A participação da B foi muito importante para o desenvolvimento social e afetivo dela. Houve resultados indiretos da participação no projeto, mas que não se teria verificado se ela não tivesse integrado o grupo.”
“A sua autonomia e a sua autoestima têm vindo a “subir” de uma forma bastante positiva. O sair com os amigos, querer ir a uma atividade com “prazer” é sem dúvida um dos grandes objetivos melhorados.”

“No cômputo geral, tanto nós como o T, pelo feedback que nos dá após cada sessão, estamos satisfeitos com a evolução e o progresso do T. Nomeadamente: (...) começou a sair sistematicamente com alguns colegas do CADIn e mesmo com colegas da escola. Tornou-se autónomo nos transportes, marcou jantares com os colegas e regressou diversas vezes sozinho, tarde a casa. (Não fazia antes)”

ÚLTIMAS NOTÍCIAS